You are currently viewing Experiência do Usuário: Você sabe o que significa?
  • Reading time:16 minuto(s) de leitura

Experiência do Usuário: Você sabe o que significa?

 

Inovar é algo muito importante para o mercado de trabalho.

Se você tem uma empresa, algo a se ter em mente é como tratar bem o seu cliente.

E é de suma importância saber o que fazer para atrair ainda mais clientes.

Por isso, te perguntamos, você sabe o que significa o termo: “Experiência do Usuário?”

Talvez pelo nome dê para ter uma pequena noção do que se trata.

Mas já te garanto que é um assunto bem mais amplo e atual.

Neste artigo vamos explorar um pouco mais do que é de fato essa experiência.

E como ela pode ser benéfica, tanto para a empresa, quanto para o usuário.

Leia até o final para saber o que significa a Experiência do Usuário e como ela se faz presente nas empresas.

Experiência do Usuário: O que é?

Vamos começar pelo fato de você, que está do outro lado da tela, ter uma empresa. 

Nessa sua empresa, independente do ramo que ocupa, você quer ter sempre um melhor rendimento. 

Este rendimento pode passar pelo fato de organizar a casa. 

Pela aceitação e ótima execução de uma nova metodologia de trabalho. 

Ou a conquista da atenção de novos clientes. 

Atraindo assim, mais vendas e um melhor relacionamento. 

Pensando nisso, neste melhor relacionamento e no alto rendimento, surgiu a experiência do usuário. 

Termo que foi criado pelo americano Donald Norman na década de 1990.  

E que é a tradução mais adequada para User Experience (UX).  

Mas do que exatamente ela trata? 

Assim como já estávamos abordando, a experiência equilibra o seu relacionamento.

Aliado à melhoria do seu rendimento interno. 

Portanto, a Experiência do Usuário é uma forma de garantir a imersão do cliente dentro de algum contexto específico da empresa. 

Seja relacionado ao aspecto afetivo, experiencial ou relacionado a área de designer. 

Envolve algo que seja significativo, valioso e use a relação entre o humano e o computador.  

Seja de forma virtual ou até mesmo presencial. 

É colocar o seu cliente como um telespectador ou mesmo um conselheiro.

Levando ele para o seu campo de trabalho.  

Dando a ele a oportunidade de interagir com o que vem sendo feito, ou com o ambiente onde tudo ocorre. 

Aproveitando assim, do que ele pensa a respeito do produto, para que possa evoluir. 

E abordando também qual é a percepção dele sobre todo o sistema.

Funcionando então como algo subjetivo. 

Que varia de pessoa para pessoa, dependendo da sua experiência.

Mas que tem como primeiro propósito gerar algum conhecimento, além do que é percebido internamente.

E indica, assim, um processo dinâmico. 

Onde correções, pesquisas e aprimoramentos são feitos de forma mais rápida e corriqueira. 

Despertando dessa forma uma relação mútua. 

Proveitosa para usuário que vive algo único e para empresa que aprende com tudo isso.

O seu foco

Para chegarmos a algum lugar é necessário foco.

Para a experiência do usuário isso também se faz necessário. 

E essa parte é baseada em três pilares. 

Pilares estes que comprovam se a experiência é realmente benéfica. 

E eles são:  

  • Desejabilidade: É quando comprova-se que o produto desenvolvido pela empresa é algo que é desejado pelos clientes. 
  • Usabilidade: Dando sequência ao desejo, a forma como podemos usar e manejar esse tipo de produto também interfere na produção.
  • Utilidade: Em que sentido o produto feito pela empresa pode ser útil no dia a dia. A sua utilidade certifica se o produto realmente está no caminho certo. 

Todos esses três em conjunto geram resultados proveitosos para a empresa. 

E mostram a importância de ter a experiência do usuário como uma forma de imersão e expansão do conhecimento. 

Seja para correção de falhas ou aprimoramento de projetos que ainda estão em processo.  

Por que as empresas de tecnologia se preocupam com a experiência do usuário?

Sabemos que o consumidor é também muito curioso. 

Ele quer saber o próximo passo da marca que ele ama consumir. 

Ou mesmo como funciona o dia a dia internamente. 

Por isso, as empresas de tecnologia que são maioria no ramo de UX vivem de olho nisso. 

Com o olhar voltado para que o cliente fique por dentro do que acontece na empresa. 

Porque a ideia do usuário é importante para a evolução do negócio.

Ele é quem consome diretamente. 

Então nada melhor do que ele mesmo para comprovar se aquilo que vem sendo produzido tem qualidade. 

E as empresas de tecnologia levam essa opinião muito em consideração. 

Baseada nos pilares falados anteriormente. 

Você pode perceber a forma apegada com que os fãs de tecnologia interagem com as marcas. 

Levando em consideração também a parte emocional e até mesmo histórica. 

E é exatamente por este motivo, que quando o usuário encontra um produto, forma uma impressão momentânea. 

Que evolui com o passar do tempo. 

E que é necessariamente resultado de uma série de fatores. 

Que se adequam a uma gama de áreas internas.

Neste processo, são quatro os pontos chave para chegar a uma conclusão:

  • A percepção 
  • A ação
  • A motivação
  • E a Cognição 

Que as quatro somadas, criam uma história memorável. 

Sendo chamada de forma coerente como “experiência do usuário“. 

Esse processo suscita respostas emocionais, que determinam em grande parte se a experiência será considerada positiva ou negativa. 

Porque é uma novidade, e assim como todas as novidades, buscar atrair novos clientes.

Novos clientes geram novas experiências. 

Por todos estes motivos citados, as empresas de tecnologia buscam o contato direto. 

Querem os usuários por dentro de tudo o que acontece. 

Desde o desenvolvimento de um novo software.

Até o formato final do produto. 

Onde se pode avaliar o seu design e o funcionamento. 

Para obter resultados positivos:

O caminho traçado para obter resultados positivos não é tão simples. 

Depois de muita tentativa e erro, o usuário entra na história. 

Ele faz com que o processo de fato seja dinâmico e positivo. 

O UX Design, como também é chamado, agrega várias áreas onde tratam especificamente de Simplicidade, Performance e Consistência. 

Destes conceitos e do seu aprimoramento surgem os resultados positivos. 

Esses resultados mostram como é importante ter o usuário ao seu lado nessa experiência.  

Alguns dos pontos tratados são: 

  • Funcionalidade
  • Prototipação 
  • Arquitetura de informação 
  • Beta testing 
  • Processo Frontend 
  • Promoção 
  • Interface
  • Usabilidade 
  • Design de interação 
  • Processo Backend 
  • Plano Mercadológico 
  • Guia de estilos 
  • Marketing
  • Design de superfícies  
  • Mercado 
  • Aparência e sensação 
  • Análise de mercado 
  • Desenvolvimento visual 
  • Comunicação mercadológica

A hora da aplicação

Muitos querem começar a aplicar a experiência do usuário em suas empresas.

Mas antes você precisa se atentar a detalhes, como a sua real necessidade.

Quais pontos precisam ser aprimorados, quais pontos não entram na conversa.

Seus clientes e usuários já se encontram satisfeitos?

Se o seu público ainda não está satisfeito, se pergunte onde você pode mudar.

Investir em mais tecnologia é o melhor caminho?

Neste texto te mostramos 7 motivos para investir em tecnologia e inovação em pequenas empresas

Dê uma olhada, se atente aos detalhes e perceba se isso te ajuda.

Veja se é realmente o que busca para a sua empresa.

Depois de definido o que é realmente necessário, é hora de partir pra ação.

Consulte todos os pontos que foram tratados neste texto.

Se baseie no que achar primordial.

E cumpra com essa última etapa.

Tenha como base 4 tópicos essenciais e leve eles como o seu guia.

1 – Experiência de compra
2 – Experiência na página
3 – Experiência de conteúdo
4 – Experiência do cliente

Para que assim possa começar a aplicar os conceitos na sua empresa.

 

Tenha em mente

Portanto, ter um feedback do que foi a experiência da compra é importante para melhorar a sua negociação.

E certificar que o seu produto agrada o público.

Sair satisfeito ao navegar em uma página na web também conta muito para que o seu rendimento aumente.

Esse tipo de experiência é importante para os dados e a condução do site.

O conteúdo apresentado, além do que se vê na sua página, fez com que o seu cliente tenha uma ótima impressão.

A boa impressão aprimora o conteúdo.

No final das contas, após os outros passos, o seu cliente teve uma experiência valiosa e que vai marcar de alguma forma a vida dele.

Por isso a experiência do cliente se faz necessária.

Se esses pontos foram superados, você alcançou o seu objetivo.

E para se manter satisfeito é de suma importância repetir o feito e sempre aprimorá-lo.

Dois exemplos de sucesso

Seja no Brasil, ou no mundo afora, as empresas se atentam a esses detalhes tratados anteriormente. 

Com maior enfoque para uma área ou outra, elas não deixam a desejar. 

E passam uma boa mensagem para os clientes. 

Sempre atraindo a curiosidade de novos consumidores, que querem ter experiências positivas. 

Dois exemplos que mostram bem como a vivência do usuário é importante para o negócio são a brasileira Netshoes e a americana Airbnb

Que ocupam os rankings quando o assunto é a boa experiência do usuário.

Elas se preocupam em estar sempre evoluindo. 

Seja com os produtos esportivos. 

Ou com o aluguel de imóveis para temporadas. 

Cada uma utiliza da tecnologia disponível para alcançar a satisfação do seu público.

O que, de forma bem pensada, também pode ocorrer na sua empresa. 

Independente do ramo que ela ocupa. 

Procure reconhecer os seus limites e ver até onde pode chegar com o que oferece aos seus clientes. 

A partir daí a experiência do usuário passa a ser uma realidade incrível. 

Tanto para ideias que envolvem o ambiente virtual ou presencial. 

Isso é um pouco do que ocorre nesse tipo de inovação mercadológica.

Gostou do conteúdo? 

Você pode conferir nossos outros artigos clicando aqui.

Aproveite para compartilhar com mais pessoas em suas redes sociais.

Gostou? Compartilhe!

Deixe um comentário